Coach do Coach

Os melhores profissionais e as melhores equipas têm um denominador comum: serem peritos nas competências intra e inter que perfazem as relações interpessoais entre todos os objectivos, as ferramentas e os meios. (Rui Lança)

domingo, 29 de novembro de 2009

Equipa? Envolve sacrifício, alinhamento, esforço, abdicação individual...


Pode não ter sido o melhor, mas o seu comportamento e atitude marcaram. Carlos Martins...nem voltaria a entrar, com ou sem sangue.

Sporting - Benfica, análise factual ou de factos?

Alguns cenários de análise do resultado Sporting - Benfica, 0-0;

Sporting, 8.º classificado: Menos mal, empatar em casa contra o 2.º classificado com os mesmos pontos que o 1.º, no 2.º jogo do seu novo treinador, pode ser bastante moralizador.

Benfica, 2.º classificado com os mesmos pontos que o 1.º: Mau resultado, pois quem quer ser campeão não pode perder pontos com equipas que estão nesses lugares.

__________


Sporting, candidato ao título a 11 pontos dos dois primeiros classificados, num jogo contra um deles: Péssimo resultado, pois teria de começar claramente a recuperação ganhando 3 pontos directamente a um dos seus adversários directos e primeiros classificados.


Benfica, jogando em casa de um dos candidatos ao título a 11 pontos: Mau resultado, ganhar seria sempre melhor, mas tem o ponto negativo de possivelmente deixar fugir o Braga e ver o Porto aproximar-se, mas não deixa o Sporting recuperar.
_________

Sporting, 2.º jogo do novo treinador, derbie e a precisar de um balão de oxigénio: Menos mal, podia ser melhor, a vitória daria grande moral, mas a derrota deitaria possivelmente todo e qualquer cenário positivo pelo cano abaixo. O empate pode ter um efeito agregador e positivo ou estilo fogo-de-artifício...temporário apenas.

Benfica, vindo de uma derrota e de exibições menos conseguidas: Não queria claramente perder, parece-me que foi assumidamente o 1.º objectivo. Ganhar seria o ideal, à falta de certezas, não perder daria para beliscar o adversário e não assumir as duas possíveis derrotas.

Conferências de imprensa:

Carlos Carvalhal, quis assumir que se trata de um resultado que contribuirá para a recuperação, não querendo abordar qualquer discurso se ficou ou não fora da corrida. Parece-me que assumiu na conferência perante algumas questões o seu estilo de liderança: consensual. Não é bom nem mau, tem contextos apenas.


Dois próximos jogos, Setúbal fora e Leiria em casa, se conseguir 6 pontos, considero que começará a recuperação até em termos anímicos.

Jorge Jesus, se estava chateado com o resultado não pareceu. Pareceu mais querer dizer que o Sporting estava fora da corrida do que propriamente explicar a exibição menos conseguida, tendo já 4.ª feira outro teste difícil.

Se não perderem pontos até à recepção do Porto (Académica em casa e Olhanense fora), pode ser que a sustentabilidade da equipa se mantenha.

Análise futura considerando os '4' candidatos:

Sporting, recebeu dois deles em casa e jogou nas Antas, conseguiu 1 ponto em 9 possíveis.

Porto, falta ir à Luz, conseguiu 3 em 6 pontos, e jogará na 1.ª volta fora duas vezes e uma no Dragão.

Benfica, 1 em 6 pontos possíveis, e falta receber o Porto. Dos 3 jogos contra os candidatos, jogará 2 vezes fora e apenas 1 em casa.

Braga, 9 em 9 (!), jogou duas vezes em casa e fora contra o Sporting.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Os processos de equipa

A convite de um amigo treinador, ontem tive mais uma experiência a trabalhar com uma equipa desportiva para de alguma forma trabalhar e sensibilizar para isso da...Inteligência Colectiva ou um termo mais científico, team cognition.

Curioso que uma grande fatia dos jogadores assume que a parte técnica (podendo dividir o jogador na parte física, técnica, táctica e comportamental) é a que faz a diferença, ou onde muito consuma no resultado final dos jogadores.

Por formação e experiência de trabalho com equipas multi-disciplinares, desportivas e multi-culturais também, a parte comportamental de cada jogador, que o diferencia por um lado de todos os outros que correm, se esforçam, ouvem as palestras do treinador, é na minha opinião o tal condimento que num processo de grupo faz com que 1+1 seja mais (ou menos) que 2!

Aquela velha frase que o resultado final deve ser maior que a soma de todas as partes/jogadores, mas que ouvimos e não sabemos bem o que retirar de lá! Estilo...and what next?!

Uma equipa deve ter acima de tudo:

Boa comunicação (frontal, escuta activa e assertividade)
Objectivos comuns
Alinhamento e Envolvimento
Tarefas bem definidas
Compromisso
Liderança
Individual inserido no Grupo
Etc...
Curioso também verificar como facilmente cometemos os erros que aparentemente são de bom senso, mas que o facto de não os treinarmos tornam quer os atletas quer os treinadores menos hábeis para comunicar, escutar os outros, filtrar e processar a informação que interessa para tomar uma ou mais decisões muitas das vezes em décimas de segundo.
Como dizia alguém que muito estimo...não há treinar bem e não ganhar, ou seja, sendo o treino o aperfeiçoamento e o desenvolvimento das capacidades e competências para aquilo que 'suposta e possivelmente' iremos encontrar na competição, o treino resulta se de facto treinarmos para aquilo que efectivamente vamos defrontar. Dado que não 'jogamos' sozinhos...o resultado final é a soma dos contributos individuais mais os tais processos!

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Uma bela obra do Prof. Manuel Sérgio

Um bom livro lançado hoje no meio e seio de tanta gente interessado no fenómeno!

domingo, 22 de novembro de 2009

O 8 e o 80 de Jorge Jesus

O Benfica deixa fugir o primeiro troféu da época. Logo à 2.ª tentativa. Não era fácil o adversário, mas tinha tudo para seguir. Em casa e teoricamente muito mais forte. O Guimarães teve bem, como não era de esperar outra coisa, quer pela qualidade dos seus jogadores quer pelo treinador que se está ali a formar, Paulo Sérgio.

Jorge Jesus não deixa de ter todo o mérito por uma derrota em casa. É, e deve o assumir SEMPRE, responsável pelo resultado. Quer este quer os 5-0, 6-1, 1-0, etc. Responsável por todos os resultados, faz qualquer líder que queira se destacar dos normais e assumir-se como excelente.

Não passa a ser mau treinador aos olhos dos racionais. Deixo os facciosos de fora. Tem tido o mérito (ele e a sua equipa técnica) de recuperar alguns jogadores, principalmente comparando o desempenho com a época passada.

Mas perde e assume alguns erros...que se têm tornado constantes. A aposta em Keirrison. Má aposta! Substituições quase sempre aos mesmos minutos...terá, tal como Quique tinha, qualquer 'panca'?

Para os benfiquistas, esta derrota terá algum significado sim, mas o verdadeiro significado e impacto veremos após o resultado do dia 28 deste mês. Uns dirão que querem mostrar que isto foi um acidente, outros no caso de perderem em Alvalade...que a equipa está a descer. Uma coisa parece indesmentível...Benfica assume-se uma equipa com querer, atacante, alguns vícios do seu modelo, mas acima de tudo, cansada. E sem Cardozo...perde presença em toda a área.

sábado, 21 de novembro de 2009

Ainda a entrevista de Paulo Bento

Depois de ler a entrevista de Paulo Bento no Record, alguns 'recortes' da entrevista ao 'JN', fico ainda mais com a noção que se tratava (e trata) de alguém com muitos valores e possivelmente, alguma dificuldade de se encaixar nisto do Futebol...onde, como dizia o Prof. Manuel Sérgio, não há adversários...apenas inimigos.

Contudo, para os Sportinguistas, para quem Paulo Bento foi e para muitos, continua a ser alguém que merece todo o respeito, ficam algumas ideias fortes:

- o vizinho da 2.ª circular condiciona muito (Ribeiro Telles diz ao jornal o 'Sol' o mesmo);
- Sá Pinto tinha...tudo acordado, faltava a Bettencourt preparar e afastar (...) quem se opunha à sua entrada;
- para quem se entendia por sinais de fumo (PB e JEB), Sá Pinto passava pelos infra-vermelhos;
- JEB tem o seu futuro muito condicionado pelo resultado dia 28 deste mês, partindo do princípio que amanhã para a Taça passa e goleia.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Quando um treinador recebe menos que um jogador

Soube por fonte segura (termo dúbio em Portugal) que Carlos Carvalhal (CC) ia ter como vencimento mensal 13 000 € por treinar o Sporting. Esperei que saísse nos jornais (que afirmaram esse mesmo valor) e decidi escrever esta crónica.

Utilizo o exemplo de Carvalhal como podia utilizar o de JJ ou Jesualdo Ferreira, embora destes eu não saiba correctamente o vencimento mensal, enquanto o de CC parecem ser mesmos os treze mil com mais algumas hipóteses de prémios. Lembro-me bem dos primeiros treinadores da modernidade que fizeram um cavalo de batalha o facto de não aceitarem ganhar menos que qualquer jogador do plantel.

Hoje é irreal esta ideia, tirando um ou outro caso. Lembro-me de Crujft no Barcelona ou até de Artur Jorge no Paris SG discursarem sobre esta tese. Não havia hipótese de um líder ser aceite ganhando menos que um seu jogador. Discutível, eu sei, mas são teses aplicadas. Hoje, existe uma decalage enorne em alguns clubes, desde das distritais até aos colossos mundias.

Pedir que Pelligrini ganhe mais que Ronaldo, Káká ou Raúl é impensável em termos ecnómicos quase. Abriria uma grande excepção. CC aceita receber quase que um décimo de jogadores como Moutinho ou Liedson. Provavelmente JJ ganha muito menos que quase todos os jogadores do Benfica enquanto JF deve ficar muito aquém de jogadores como Bruno Alves, C. Rodriguez ou Hulk.

Duas questões se levantam...uma, que é certa, é a aceitação por parte do treinador ganhar menos que a maioria das pessoas que comanda. Outra é a visão que o jogador tem de alguém que ganha um décimo ou metade do que o treinador ganha.

Nos tempos actuais, não são só os jogadores que se sujeitam a muitas coisas, treinadores a aceitar ganhar 13 000 € para treinar um grande é estranho, principalmente porque apresenta mais credenciais que outro candidato que recusou, e recusou, pelo que sabemos, um vencimento mais alto.

domingo, 15 de novembro de 2009

Valerá a pena?

Valerá a pena criar uma etiqueta para ele? Ou seja...criará ele raízes em Alvalade?

Ao 'míudo' com 32 anos e 3 jogos na vida como treinador, ofereciam 1 ano e meio de contrato, a este...apenas 6 meses, o que significará?

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

A diferença dos 3 treinadores dos 'grandes'

Com a mais que provável entrada de Villas-Boas para o cargo de Treinador do Sporting, iremos atingir uma situação no mínimo, singular em termos de diferenciação dos treinadores dos 3 chamados grandes.

Se não, veja-se!

Porto é treinado actualmente por um treinador que fez carreira como adjunto durante muito tempo, atingiu o extase quase no final da carreira ao treinar um clube em que, tal como era o Benfica em 60's, todos se arriscam a ser campeões. A uns meses ou mais uma época de se reformar (pelo menos em Portugal), atinge os êxitos na sua maturidade quase máxima. Licenciado pelo antigo INEF ainda.

Sporting, (poderá ser) treinado por um jovem, sem experiência como teinador principal, sem passado como futebolista, licenciado e estudioso, foi subindo pico a pico, primeiro com Boby Robson e chamado para a equipa de Mourinho depois das más experiências de scouting pelo Benfica e o célebre relatório do Boavista com apenas 10 jogadores. Sem maturidade como treinador, terá como principal desafio saber fazer a transição do que viu para a prática.

Benfica, treinado por alguém com a 4.ª classe, meia idade, passado como futebolista (embora sem ter sido um grande jogador, atingiu boas perfomances), experiência como treinador embora sem títulos. Quase que um case-study para todos os que estudam, e tal como o Prof. Manuel Sérgio dizia, 'ele vê diferente'.

Trata-se apenas de uma constatação, sem querer colocar 'ao barulho' os clubes, factos!

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

O 31 de Paulo Bento

A questão da autonomia e dependência dos intervenientes no Futebol, neste caso muito específico, é uma tentativa que nunca se pode dar por atingida a 100%.

Como qualquer treinador e jogadores tem o seu ego e procura um equilíbrio da identidade, autonomia e o processo de dependência, também um clube tende para balizar um estado de funcionamento de interdependência, em que não haja qualquer dependência de ninguém e de nenhum processo.

Um clube procura o seu estado normal e saudável de funcionar passando sempre por 4 fases:
Fase 1 - Dependência Fase 2 - Contra-dependência Fase 3 - Independência
Fase 4 - Interdependência (implementação de uma relação de paridade entre todos - jogadores e equipa técnica - que conduza à responsabilização individual fazendo parte de uma abordagem sistémica...que todos dependem e condicionam)

Muito se tem falado da saída de Paulo Bento do Sporting. Muitas abordagens, muitos cenários e a observação de que o Sporting parecia estar mais dependente do Paulo Bento que o inverso. A saída de Paulo Bento implica a perda de um treinador, dirigente, responsável pela comunicação, director desportivo, etc. A saída de Paulo Bento não será apenas a saída do treinador da equipa profissional de Futebol do Sporting.

A responsabilidade que já foi colocada sobre quem ainda não veio, ao dizer-se que a substituição irá ser uma missão muito difícil, dependente de quem saiu, torna também este processo mais um desafio que não sabemos se o actual Presidente do clube está ao nível.

Parece claramente que JEB saberá muito de gestão ou economia, mas da linguagem futobolesca, pouco sabe e quando tenta improvisar ou adaptar-se...fica sempre muito distante do desejado. Correm o risco de perder bem mais que os 4 meses iniciais da época, e quem sabe mais do que apenas 2009/10.

Num clube que tanto se apelidou de gestão desportiva rigorosa, falta claramente ali uma visão e definição de culpados, para saberem porque se deixaram ficar dependentes de uma pessoa apenas, mesmo que essa fosse alguém que foi demonstrando competência.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Mensagem do meu amigo Angelo Medeiros!

"O SPORT LISBOA E BENFICA, não apoia qualquer claque, e por acção de um grupo de pessoas supostamente "adeptos" do clube, é penalizado com a perda daquilo que conquistou em campo com toda a competência. Uma ilegalidade, na minha opinião, a decisão do Conselho de Justiça da Federação, que nunca, em momento algum conseguiu provar de quem partiu a primeira pedrada, além de que, em momento algum o Sporting, forneceu imagens da entrada da academia, onde, alegadamente, segundo várias testemunhas oculares, os tais adeptos foram, aí, recebidos com pedradas vindas da parte de dentro do referido portão.

Também ninguém refere, que ainda nas bancadas, alguns adeptos do Sporting tinham a seus pés, pedras, porquê!? Será que as claques OFICIAIS do Sporting, que usam a mesma arma (pedras) contra o SEU próprio clube, seriam incapazes de tomar a iniciativa de o fazer contra outro clube, ou será que por ser contra o SEU próprio clube, estas já foram lançadas de forma elevada e elegante!

Que me desculpem, os meus amigos sportinguistas, mas quem não sente não é filho de boa gente, até porque sinceramente, não tenho nada contra o SCP, a não ser o facto de preferir que o meu clube seja sempre o melhor, mas verificar que nos é sonegado um direito adquirido lealmente e com muito trabalho, custa muito, mesmo muito, isto para já não referir o estado de espírito dos jogadores."

Mensagem do meu amigo Ângelo Medeiros, benfiquista e que se sente. Talvez por sentir um pouco do mesmo, achei uma boa ideia colocar a visão dele. Não é uma espaço fechado, se alguém Sportinguista quiser colocar a sua visão de uma forma CLARA, CORRECTA e CRÍTICA, cá está o espaço à vossa espera.

Para finalizar, para que não fiquem daquelas dúvidas bem portugas, ganhar era repetir o jogo logo após aquele, quer fosse sem público ou na 'Conchichina'!

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Vamos todos ajudar a FPF!

Recebemos vezes sem conta aqueles e-mails de ajuda, fowards e mais ajudas, e mais caridades, etc.

Desta vez inicio eu um! Já tinha este pensamento e depois de ler na net que FPF voltou atrás e decidiu (consideram alguns sites e outros não sabem bem o que...achar) entregar o título de Juniores ao Sporting, aos dois ou manter tudo na mesma, aqui vai a minha ajudinha para o actual da FPF!

- O Presidente diz que quer sair porque não aguenta o facto de dizerem sempre mal do trabalho realizado. Bem...Portugal cresceu muito com ele, não só em infra-estruturas, mas como a Casa das Selecções em Sintra e em verbas que entraram. Parabéns pela máquina montada pelo Euro 2004, pena os gregos e troianos;

- O timing da decisão de hoje é engraçada...vamos ajudar o Sporting, até porque esta equipa de juniores já tinha tido a ajuda de Paulo Bento há 3 ou 4 anos quando ele previu que alguns eram craques;

- Hulk foi chamado à selecção do Brasil! Oh...lá se vai mais um reforço de Portugal. Mas eu deixo aqui alguns: Javi Garcia do Benfica; David Luiz do Benfica; Evaldo do Braga; Bracali do Nacional; Alan do Braga; e mais alguns por aí!

- Prof. Carlos Queiroz deve estar a pensar quem vai convocar do Benfica para o jogo contra a Bósnia, até porque convém chamar pelo público da Luz/Benfica para encher o estádio. Quim comprovou que juntamente com Eduardo, as casas que deram no último jogo, não dá! César Peixoto sem ritmo (esta época acho que ainda não o teve, mas pronto), Nuno Gomes não joga e Ruben Amorim...também joga pouco.

É clicar onde diz Paulo Bento do lado direito do écran, sffv!

Continuo a achar, que tirando algumas aberrações como aconteceu com o Polga, Paulo Bento é um bom treinador. Não é tacticamente bom, joga mal no banco com as mil entradas do Pereirinha, arranja muito lenha para se queimar, mas tem algo que me encanta.

Para esta época acrescentou o desgaste comunicacional, a (falta) de impacto oral e gestual. Muito mais...que na verdade, confirma a peso que tem para a perfomance das equipas e dos jogadores o comportamento dos seus líderes.

Os jogadores são praticamente os mesmos e o treinador também, o que mudou? A mensagem não chega...Paulo Bento no Porto estaria na frente, no Benfica poderia não fazer o que JJ tem feito, mas andaria lá perto em termos de pontos, em Alvalade...está cheio de jogadores que já tiveram quase mesmo para sair...mas não se foram embora. Quantos Custódios vamos mais ter ali? Que de capitão e promessa, saiu pela porta pequena.

Bem avisei, que nada tinha a opor à qualidade do treinador...mas a mensagem...não chega. Como dizia um assessor de Margaret Tatcher...."Quando falas e não ouvem, é porque não falaste."