Coach do Coach

Os melhores profissionais e as melhores equipas têm um denominador comum: serem peritos nas competências intra e inter que perfazem as relações interpessoais entre todos os objectivos, as ferramentas e os meios. (Rui Lança)

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Comunicação e a falta dela

Entrevista de Nélson Évora ao DN...

P - Com a sua medalha, Vicente de Moura, presidente do Comité Olímpico Português, passou de demissionário a candidato a mais um mandato...

R - Entendo que muita coisa não foi bem gerida. Em termos de comunicação, o Comité falhou. E o nosso presidente não esteve bem. Um presidente não se demite antes de os Jogos Olímpicos acabarem. Não manda um atleta para casa [Marco Fortes]. Ele faltou ao respeito aos atletas que ainda iam competir. Isso magoou-me. Mas estas coisinhas, em vez de me perturbarem, motivaram-me. Entrei em prova, fiz o que tinha o fazer, mas devo dizer que registei.
"A inveja é a religião dos fracos"

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Visão é isto!

Durante os cinco dias que estive em Barcelona, o FC Barcelona ganhou dois jogos com a 'chapa' 5-0! Um para as competições europeias outro para a Liga Espanhola. Se o meu clube ganhasse dois jogos seguidos (já não seria mau) e ainda por cima por 5-0, melhor ainda!

Mas o que mais impressiona e deve fazer corar algumas empresas, é que o clube FC Barcelona personifica o que deve ser uma visão de uma organização, de uma empresa, de algo! O FC Barcelona tem a missão de alegrar todos os catalãos, exceptuando aqueles milhares do Espanyol FC. O catalão está alinhado com o clube. O clube está alinhado com a região. Ambos não vivem sem o outro. Sabem a sua missão, o que devem fazer e vivem alinhados. Alinhamento...aqui está uma ferramenta essencial da Visão!

domingo, 26 de outubro de 2008

Quem joga são os jogadores

José Mourinho, depois do empate entre a sua equipa Inter de Milão contra o Génova 0-0: "Sou sempre responsável pelos resultados da minha equipa".

Faz-me sempre recordar a frase de quem joga são os jogadores!

sábado, 25 de outubro de 2008

Ele...

Paulo Bento sobre um dos seus jogadores:
«Em relação ao Simon, estamos a fazer tudo o que está ao nosso alcance para o recuperar, tanto fisicamente, tanto na integração no grupo, com o apoio dos colegas. Falta a outra parte, que é a dele», começou por dizer o técnico, antes de concretizar: «Neste momento não quer muito jogar no Sporting. O comportamento é completamente diferente, em relação aos colegas. Trabalha pouco.»

domingo, 19 de outubro de 2008

Quem joga?

"No coaching, é decisivo perceber que quem joga são os jogadores, não os treinadores. E que o acto de treinar alguém subentende acima de tudo servir, mais que servirmo-nos" (Jorge Araújo)

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Há crónicas assim!

Desde algum tempo habituei-me a procurar o suplemento desportivo que o DN publica às 6.ª feiras. Para além da qualidade gráfica e algumas transferências fantásticas, capazes de fazer sonhar qualquer um, contempla um belo grupo de cronistas.

Hoje, e ainda sobre Queiroz, está publicada uma que vale a pena ler. Crítica mas com muitos e bons exemplos. Não acredito que João Marcelino fizesse melhor que Queiroz na posição de treinador...mas ele também não é pago para isso, mas sim, para nos dar algumas lições como nos dá esta 6.ª feira.

Aconselho mais uma vez...

http://dn.sapo.pt/2008/10/17/dnsport/um_descalabro_chamado_queiroz.html

Comunicação ou a falta dela

O médio Vukcevic não se apresentou no treino desta sexta-feira do Sporting, depois representar a selecção do Montenegro frente à tália, em Lecce, informando o clube de que está doente.

Paulo Bento comentou o assunto na conferência de imprensa de antevisão do jogo com a U. Leiria."Não sou médico não trabalho no aeroporto para saber onde é que ele está. Não sou espião, sou treinador do Sporting".

Alguém tem dúvida que estas frases são um exemplo de não comunicação?

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Treinador tem de comunicar!

Kobe Bryant:

"Como é jogar para o Coach K (Mike Krzyzewski)?

- É tudo o que eu esperava que fosse e ainda mais. Quando estava no high school, ele era a minha primeira esolha, mas tive de esperar cerca de 11 anos para jogar para ele. Ele é uma excelente pessoa e um treinador incrível e eu já aprendi muito com ele. Tem uma grande paixão pelo jogo, grande respeito pelos seus atletas e acima de tudo, quer ver os seus jogadores a jogar bem. E claro, quer ganhar. Ele comunica facilmente com os seus atletas e é muito claro naquilo que quer."

Para quem lidera

"A mentira deixa o problema para o futuro; a verdade deixa o problema no passado"

A fisiologia e a água das pedras

«Ainda não digeri o empate com a Albânia, apesar de já ter bebido muita Águas das Pedras», disse o Presidente da Federação Gilberto Madaíl.

Será que alguém irá assumir a responsabilidade? Ficaremos todos a aguardar pela próxima vitória para vir ver o sol? Serão estes os líderes que só aparecem quando tudo corre bem? Gilberto Madaíl pode sempre juntar-se a Paulo de Andrade, ex-Presidente do Sporting que também teve de sair no célebre jogo na Mata Real há uns aninhos.

Enquanto isso...a caravana já passou. A ver vamos se o Mundial de Futebol na África do Sul também...

Eu ou a equipa?

Hugo Almeida, avançado que jogou 90' contra a Albânia e que ficou 0-0 : «Tive duas ocasiões para marcar e acho que cabeceei bem em ambos os lances».

Quem lhe explica que as equipas funcionam como um sistema...que não basta um fazer coisas boas?

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Lição de medo de Queiroz

Assistiu-se hoje em Braga a das maiores demonstrações de inoperacionalidade por parte de um seleccionador nacional, neste caso, o de Futebol. Frente a uma selecção que está mais de 70 lugares atrás de Portugal no Ranking FIFA, uma selecção da Albânia que jogou mais de 60' com 10 homens, a equipa orientada por Carlos Queiroz não conseguiu vencer.
- Mesmo com mais um homem, demorou 15' a deixar de jogar com 3 médios, com características mais defensivas que ofensivas.
- Demorou mais de 30' a colocar a equipa a jogar com 2 pontas-de-lança, sendo que a selecção apenas jogou 'assim' durante 15'.
- Demorou e hesitou sempre e demais nas substituições, com chamadas para os jogadores entrarem e hesitações se entrava 'já' ou 'daqui a pouco'.
- Portugal teve em campo uma equipa que precisava de 4 bolas: 1 para o Nani, 1 para o Quaresma, 1 para Ronaldo e outra para os restantes jogadores.
- Queiroz teve durante quase todo o jogo um comportamento que transparecia nervosismo, ansiedade, desconfiança, incerteza, maus sentimentos para um líder.
- Queiroz não se comporta durante os jogos com o que informa nas conferências de imprensa, onde se afirma como uma pessoa confiante e que não tem medo.

Hoje a selecção não teve um dos dois tipos de treinadores que podíamos ter tido: não tivémos ninguém que percebesse tecnicamente do assunto, nem comportamental. Para além do passo atrás na qualificação, demos muitos passos atrás naquilo que tinha sido conquistado. Pode ser que me engane, mas não estamos a preparar uma equipa para ser vencedora nem campeã, até porque para isso, é preciso...vencer.

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Queiroz e os líderes


"Já disse que quero na selecção nacional uma equipa de líderes".

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Treinar o quê?

Ontem falava com uma amiga minha sobre esta ideia do coaching e treino experiencial nas empresas dando-lhe exemplos variados, quer do desporto quer do mundo do espectáculo.

E afirmava que numa companhia de dança, por exemplo, elas treinam até à exaustão todos os movimentos que repetidamente fazem no palco. Que os bases no Basquetebol treinam afincadamente o passe, os triplistas o lançamento triplo, as ginastas os movimentos que fazem em competição, os lançadores do peso o seu lançamento, etc. Porque raio nas empresas não se treina o que se faz durante o dia-a-dia? Porque nos preocupamos a preencher o tempo com algo que não beneficia o nosso desempenho?

Mais um pensamento, apenas isso.

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Assertividade

Assertividade - Comunicação aberta, de respeito pelo outro mas também pelo próprio. Estabelece uma relação de win-win. São utilizadas atitudes de afirmação, sinceridade, ou seja, de afirmação do que se pretende, com espírito construtivo e sem receio de suscitar relações de hostilidadem em seu redor. O indivíduo expressa a sua vontade sem atentar contra os direitos dos outros. Em termos de comunicação, uma atitude passiva caracteriza-se por respeito pelo outro e pela transparência na linguagem.

E parece tão simples...

Emoção nas equipas

Deixo-vos mais um livro. Este cria claramente valor a quem o lê, até onde...não sei! Com inúmeros exemplos e uma linguagem bastante acessível, conjuga diversos casos práticos, com fichas, histórias, etc. Vale a pena. Para quem se interessa pelo tema ou diariamente gere pessoas, grupos e equipas, aprende-se.
Nome: "Gestão Emocional de Equipas"
Autor: António Miguel, Ana Rocha e Oliver Rohrich
Ano: 2008, Lidel

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

O primeiro dos três P's: Protecção

José Mourinho sobre os seus jogadores e ele próprio:

«A última coisa que podem esperar de mim é criticar os meus jogadores após um jogo: não o faço. Não me escondo. Gosto que os jogadores se sintam protegidos. Eles estão tranquilos porque o alvo a abater sou eu, o antipático e arrogante sou eu, o treinador sem capacidade sou eu. Para nós isso é positivo».

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Jesualdo

Foi confrangedor ver a imagem de Jesualdo Ferreira durante o jogo Arsenal - FC Porto para a Liga dos Campeões onde podiam ter sido (mais) humilhados. Que pensaria um jogador ao olhar para o banco de suplentes e ver o seu líder naquela posição?