Coach do Coach

Os melhores profissionais e as melhores equipas têm um denominador comum: serem peritos nas competências intra e inter que perfazem as relações interpessoais entre todos os objectivos, as ferramentas e os meios. (Rui Lança)

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012



Este workshop de dois dias visa ajudar a preparar as pessoas (chefias, líderes, treinadores, colaboradores e equipas) para compreenderem e melhor utilizarem as suas atitudes e comportamentos diários para optimizar o seu desempenho e o desempenho dos outros no trabalho, na sociedade...


Nesta versão do workshop, com uma maior disponibilidade de tempo, será possível aos participantes desenvolverem as suas competências de uma forma mais marcante que num workshop de um dia.


Se coordena ou integra equipas complexas, multi-disciplinares ou muito recentes e a precisar de uma maior coesão e de apresentar excelentes prestações num curto ou médio prazo, este é o workshop para si!


Mais informações aqui!



quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Workshop em Liderança e Tomada de Decisão no Futsal

No dia 18 e 19 de Maio o CR Leões de Porto Salvo irá organizar um workshop na área da Liderança e Tomada de Decisão no Futsal, modalidade onde o clube, especialmente como exemplo de boa formação, tem dados passos bem estáveis. Mais informações no site do clube!


http://www.leoesdeportosalvo.pt/



segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Percepção social da vitória das empresas e do desporto

Excerto do prefácio do meu livro:

"Os negócios não são diferentes do desporto. A equipa que tem os melhores jogadores, ganha. Mas a percepção social da vitória é que muda. Uma equipa com alto desempenho no futebol é motivo de orgulho nacional. Uma equipa com elevado desempenho empresarial é um alvo a abater.

Isto remete para uma discussão sociológica, quase psicanalítica, da relação difícil que certas sociedades (como a nossa) têm com o sucesso, quando este assenta no dinheiro."

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Também há uma geração ‘fast’ nas áreas comportamentais

Estamos na ‘era’ de um sms gerar uma resposta segundos depois. De não termos de esperar que os jogos entrem e demorem 9 a 10 minutos no velhinho sprectrum. Em que há algo a que se chama stress causado pelo tempo que temos de esperar para abrir um site.


Também nestas mudanças de atitudes e hábitos interpessoais, há uma ou outra geração que espera que a partir do momento que se comece a aplicar a escuta activa, a empatia, assertividade, etc… os resultados apareçam nos minutos a seguir. E que colocam em causa que tais comportamentos são mais ou menos correctos porque não trazem resultados na hora. E que os processos de grupo são muito mais discutíveis porque não se consegue mensurar.

Em alguns momentos de formações e das aulas, tal visão é tão límpida como (alguma) água. Se não se vê, e não se vê, nos momentos seguintes…é mais difícil de acreditar e esperar e continuar a repetir até que o erro se traduza em aprendizagem.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Porque falham os grupos?


. Falta de regras colectivas;
. Ausência de coordenação entre os dievrsos elementos;
. Ausência de responsabilização;
. Falta de recursos;
. Falta de liderança situacional;
. Falta de competências, planeamento e apoio;
. Incapacidade para gerir emoções e conflitos.

Não estão por ordem de importância, mas a primeira...ficou bem ali!

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

O filtro

Sabemos que nem tudo (e por vezes, muito pouco) do que comunicamos é entendido pelo ‘outro’ tal como gostaríamos ou inicialmente o desejaríamos. Por tantos factores que se tornaria quase fastidioso relatar todos.

Se tivermos que agrupar, escolheria como grandes causas o emissor, as ferramentas de comunicação, a capacidade de escuta activa de todos os intervenientes e, finalmente, o receptor.

A ‘mochila’ que cada um de nós traz diariamente condiciona positiva e negativamente a nossa eficiência em tantas, mas tantas, das nossas acções, que a grande maioria das ferramentas que hoje em dia trabalhamos, se forem mal diagnosticadas, de forma muito clara e concreta, tornam-se incoerentes e o resultado em vez de melhorar, apenas piora.

A capacidade e o simples gesto de observar, quer do emissor, quer do receptor, é um dos maiores focos da solução para uma comunicação mais eficiente, mas também, um dos maiores focos do real problema.

O filtro!

O filtro, não do que acontece, mas o filtro que nos permite, condiciona e potencia o que vemos. E como se sabe, existem muitas realidades. A realidade da acção, a realidade de quem faz, quem sente, quem observa, quem faz juízos, quem…Muitos.

Alinhar o filtro de observação de todos nós, para lá de nem saber se seria vantajoso, é claramente o maior desafio na acção de comunicar e processar a informação que é produzida constantemente por todos.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Formação dia 11 de Fevereiro, últimas inscrições

Últimas inscrições para a formação de dia 11 de Fevereiro em Team Building e Dinâmicas de Grupo no Cestur - ESHTE.

Team Building e Dinâmicas de Grupo


•Dinâmicas: conceção e aplicação

•Grupos: definição e comportamentos coletivos

•Animação, dinamização e facilitação de processos de grupo


Objetivos:


•Percecionar as potencialidades das dinâmicas na aprendizagem e desenvolvimento de competências

•Conceção e organização de dinâmicas com grupos

•Facilitação de pessoas, processos e projetos através de comportamentos coletivos


Competências a adquirir:


•Como organizar e dinamizar dinâmicas de grupo

•Características adjacentes aos comportamentos de grupo/coletivos

•Planeamento de ações de formação e desenvolvimento de competências


Data: 11 de fevereiro de 2012 (Sábado) – 7 horas, 09h30-17h30