Coach do Coach

Os melhores profissionais e as melhores equipas têm um denominador comum: serem peritos nas competências intra e inter que perfazem as relações interpessoais entre todos os objectivos, as ferramentas e os meios. (Rui Lança)

terça-feira, 23 de abril de 2013

O novo livro começa a ganhar corpo...

O termo teaming é recente. Li-o e gostei do som, do que significa, do que pressupõe. Imagino acção, movimento, trabalho em equipa, um trabalho como qualquer outro mas que neste caso é o fazer equipas, trabalhar em equipa, é ter uma equipa em movimento conforme os diversos processos de grupo que isso inclui.


Teaming significa trabalhar em equipa. Não é o mesmo que a grande maioria de nós pensamos quando nos encontramos a trabalhar com pessoas no mesmo local ou estamos inseridos num grupo na nossa organização, empresa, etc. Trabalhar em equipa é como um pacote que tem variantes organizacionais, planeamentos, definição de tarefas, direcção, objectivos, coisas mais cinzentas que entrariam num cérebro colectivo mais do lado esquerdo. Do lado direito teríamos uma cor mais de movimento e emoções como o laranja com a motivação, vontade, reconhecimento, cooperação, dedicação, predisposição interpessoal, etc.

No meio temos os elos que ligam, facilitam. Os pilares que equilibram o que por vezes parece impossível. A motivação, comunicação, partilha, gestão de emoções vs objectivos, responsabilização, liderança. Uns mais importantes que outros. Depende do contexto, é certo, mas nunca como hoje, pilares como as relações interpessoais entre as diversas pessoas, a comunicação, resiliência, liderança, coabitar em prol de um compromisso colectivo tiveram tanto peso no resultado final de uma equipa a trabalhar para os seus objectivos.

Diria que hoje a grande diferença relativamente há uns anos – já no meu livro sobre ‘Como formar equipas de elevado desempenho’ abordava esta situação – o trabalhar em equipa não chega para viver, conquistar vitórias, superar objectivos, etc. Hoje exige-se que as pessoas trabalhem em equipa com eficiência e elevados desempenhos. Se esmerem. Esforcem, conquistem objectivos conjuntamente. Aprendam a colocar os compromissos colectivos ao lado ou à frente dos seus. Partilhem informação, porque ela é bastante mais poderosa quando usada comummente com a informação que outros também possuem.

domingo, 14 de abril de 2013

Aí está a 2ª edição!


Aí está a 2ª edição! Após quase 2 500 exemplares vendidos em um ano e pouco aparece a 2ª.

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Formação em Liderança e Dinâmicas de Grupo, dias 27 e 28 de Abril

 
Curso de Liderança e Dinâmicas de Grupo, dias 27 e 28 de Abril, das 9h30 às 18h30! Melhore as competências fundamentais dos profissionais em situação de liderança de grupos, aulas e as suas equipas de trabalho.

Compreender as potencialida...
des das diferentes acções com os grupos (o que são processos de grupo), aferir a capacidade de liderar e dinamizar grupos, perceber qual a diferença de motivar, comunicar, relacionar, orientar, etc. um atleta vs um grupo e como conseguir o compromisso com a pessoa e a tarefa.

Público Alvo: todos os profissionais que pretendam melhorar competências para liderar ou dinamizar grupos, aulas ou equipas de trabalho.

terça-feira, 9 de abril de 2013

O bom trabalho paga-se

Artigo que pode ser lido na totalidade aqui.

"Você é um patrão feliz. No seu escritório, todos trabalham empenhadamente e apesar da crise tem conseguido manter os principais clientes e até fez novos contratos que lhe garantem bons resultados pelo menos até ao final deste ano. Sabe bem a quem se deve o sucesso da sua empresa. Mas já lhe passou pela cabeça agradecer?

Muitos chefes não se dão ao trabalho de elogiar um empregado por uma boa prestação, apesar de não perderem uma oportunidade de criticar tudo quanto está mal na sua atitude. Afinal, dizer mal é tão fácil... Mas olhe que dizer bem também não custa nada. E até pode descobrir que gosta da sensação. A maioria das vezes, uma palavra de incentivo a caminho do resultado final é essencial para um desfecho feliz. Se acha normal pagar por uma boa refeição, por bilhetes para a ópera ou por um fato de qualidade, porque é que lhe parece estranho recompensar devidamente quem faz um bom trabalho? (...)"